Siga os Arautos:

Procurar no site

Tópicos recentes

Comentários

Arquivos

Categorias

Meta

A Maternidade Divina e a Imaculada Conceição de Maria

  Dois sacerdotes dominicanos - Fr. Bassiti e Fr. Pignataro - compuseram um magnifico resumo da Maternidade Divina e da Imaculada Conceição da Virgem Maria, sob a forma de soneto:          

 

Nossa Senhora da Vitória   Vitoria - V 072 reduzidaSou verdadeira Mãe de um Deus que é Filho,

E sou Sua Filha, ainda que ao ser-lhe Mãe;

Ele de eterno existe e é meu Filho,

E eu nasci no tempo e sou sua Mãe!

 

Ele é meu Criador e é meu Filho

E eu sou sua criatura e sua Mãe.

Foi divinal prodígio ser meu Filho

Um Deus eterno e ter a mim por Mãe.

 

O ser da Mãe é quase o ser do Filho

Visto que o Filho deu o ser à Mãe

E foi a Mãe que deu o ser ao Filho

 

Se, pois, o Filho teve o ser da Mãe,

Ou há de se dizer manchado o Filho,

Ou se dirá Imaculada a Mãe!

 

       Leia sobre a Imaculada Conceição clicando aqui. .

Ato de amor ao Santíssimo Sacramento

    As visitas ao Santíssimo Sacramento são atos de piedade destinados a adorar a Sagrada Eucaristia, encerrada no Tabernáculo. De um devocionário de autor desconhecido, editado em Lisboa em 1858, foi extraída a oração apresentada a seguir, composta sob a forma de versos rimados e recomendada para preceder a Comunhão Espiritual:  

 

Minha vontade está pronta

Para seguir-vos, Senhor,

Sejam firmes meus desejos,

Seja firme o meu amor.

 

Quem me dera estar seguro

De nunca mais ofender-vos;

Meu Deus, quem me dera ser

O maior de vossos servos.

 

Meu coração vos pertence,

Meu adoravel Senhor,

Prendei-o bem preso ao vosso

Com grilhões de puro amor.

 

Governai, meu bom Jesus,

Governai meu coração,

Não consintais que nele entre

A menor imperfeição.

 

Que mais pode apetecer

Um verdadeiro Cristão,

Do que amar sempre seu Deus

Com todo o seu coração?

 

Bendito e louvado seja

O meu Jesus adorado,

Bendito seja para sempre

O meu Deus Sacramentado!

                                          .

Conhecendo a Deus pela fé

    São João da CruzSão João da Cruz, religioso espanhol do século XVI, deixou-nos extensa e profunda obra de grande valor espiritual, na qual se destacam as poesias. Estando preso pelos seus companheiros de vida religiosa, que não concordavam com a reforma que empreendia juntamente com Santa Teresa de Ávila, compôs os versos abaixo que é o cantar da alma que se alegra em conhecer a Deus pela fé.      

 

Que bem sei eu a fonte que mana e corre

Mesmo sendo noite!

 

Aquela eterna fonte está escondida.

Mas bem sei eu onde tem sua guarida,

Mesmo sendo noite!

 

Sei que não pode haver coisa tão bela

E sei que os céus e a terra bebem dela,

Mesmo sendo noite!

 

Sua origem, não a sei, pois não a tem,

Mas sei que toda a origem dela vem

Mesmo sendo noite!

 

O fundo dela, sei, que não se pode achar,

E que ninguém pode por ela a vau passar,

Mesmo sendo noite!

 

Sua claridade nunca é obscurecida

E sei que toda a luz dela é nascida,

Mesmo sendo noite!

 

Tão caudalosas são as suas correntes

Que céus e infernos regam, e as gentes,

Mesmo sendo noite!

 

A corrente que desta fonte vem

é forte e poderosa, eu o sei bem,

Mesmo sendo noite!

 

A corrente que destas duas procede

Sei que nenhuma delas a precede,

Mesmo sendo noite!

 

Aquela eterna fonte está escondida

Neste pão vivo para dar-nos vida,

Mesmo sendo noite!

 

De lá está chamando as criaturas,

Que desta água se saciam às escuras,

Porque é noite!

 

É esta a viva fonte que desejo

E neste pão de vida é que eu a vejo,

Mesmo sendo noite!

 

Hino a Maria

   

Pe AMDesde que Santa Isabel proclamou a Virgem Maria “bendita entre todas as mulheres”, o Espírito Santo não cessa de inspirar cantos e poemas em honra de sua Esposa Imaculada. Como este hino, composto pelo Pe. Antonino Marino, Adjunto para a Vida Consagrada do Vicariato de Roma.

   

 

 

 

 

Alegrai-Vos, Rainha,

À direita do Rei eterno, Jesus Cristo,

Cordeiro imortal

E dominador da terra.

 

Sentai-Vos revestida

Da luz refulgente

Do Sol de Justiça,

O Verbo Encarnado,

Que Vos cingiu com doze estrelas

Como uma coroa sobre vossa cabeça.

 

Reinais sobre o trono

Da celeste Jerusalém,

Vestida como esposa

Que desce do Céu.

 

Admiráveis são vossas luzes

Que alegram a santa Cidade de Deus

Colocada sobre firmes fundamentos

Marcados pelos doze nomes

Dos enviados do Messias.

 

Os redimidos aclamam

Aquele que vence a morte

E exultam com vosso cântico de louvor

Nas palavras que são espírito e vida.

 

A vossos pés a lua ressalta com luz

O domínio de vosso nome santo

Que renova o mundo

Com a força do vosso coração

Que acolhe a vontade do Pai.

 

Amada e predestinada pelo Senhor,

O Verbo fez de Vós seu caminho,

E sobre solo fértil

Estendeu-se a sombra do Altíssimo,

Fazendo germinar o fruto bendito

Do vosso ventre, Jesus.

 

De Vós o autor da vida tomou vida.

Em Vós alegram-se todas as criaturas.

Aquele que do nada tirou

Todas as coisas que existem,

Criou-Vos primeira estrela da manhã

No firmamento celeste de seu Reino.

 

O Pai ao mundo Vos anuncia,

Mulher de salvação,

Valente guerreira em combate,

Que repara o pecado de Adão

Com perfeita e nova harmonia.

 

Mulher prometida depois de Eva,

Tornada imaculada desde o início,

Esmagais a cabeça do inimigo

Com a força da estirpe

Eleita e santa

Das testemunhas de Jesus Cristo

Que Vos oferece a nós como Mãe.

 

Virgem Senhora,

Esposa e Mãe,

Santa Maria de Deus

E da humanidade,

Ouvi o clamor e acolhei

as súplicas da família humana.

 

Virgem inefável e fiel,

Luzeiro da santa luz incriada,

Serva do Deus verdadeiro,

Encerrais em vosso seio

O mistério oculto nos séculos.

 

Velo regado de orvalho celeste,

Escrínio selado do Reino de Deus,

Levais em vosso nome

A pérola preciosa do Evangelho.

 

Ó Maria, com vossa fé dais início

Ao cumprimento das Escrituras

Da Lei e dos Profetas

E abris à eterna Aliança.

 

Honra do nosso povo,

Glória de Jerusalém,

Amor de todos os vossos filhos,

Ó toda bela e sagrada de Deus.

 

Vós, verdadeiro tesouro

Do qual haurimos

Coisas novas e antigas,

Rede lançada ao mar

Por ordem do Senhor,

Levais aos olhos cansados dos apóstolos

A surpresa dos milagres inesperados.

 

Mãe do pescador, do semeador,

Do agricultor e do bom pastor,

Ao vosso amor se rende todo amor.

 

Desposada com José, filho de Davi,

No Templo recebeis a espada

Predita por Simeão,

Que, ferindo vossa alma,

Atinge de um só golpe

A carne do Filho de Deus,

Que é vosso.

 

Vemos vossa maior dor no caminho,

Ali onde verteis lágrimas

Por aquele Sangue divino

Derramado na Cruz pelo Senhor.

 

Nova e verdadeira Mãe

Dos que têm a vida da fé,

Fonte da tristeza

Que a brisa do Espírito

Transforma ao romper da aurora

Na doce alegria da Páscoa.

 

O fogo do Espírito

Tempera os corações

Dos apóstolos, filhos vossos,

Ao redor daquela mesa

De unânime oração

Na qual a água da antiga Lei

Fazeis sempre transformar-se

No bom vinho do eterno amor.

 

Subis e emergis na luz solar

Do Eterno

Ao abraço concorde

Da Trindade santa e feliz,

E a espada de dor que Vos foi tirada

Transpassa agora na terra

O coração nascente da Igreja.

 

Ave Maria,

Saudada por Gabriel

E pelos coros celestes.

Ave Maria,

Virgem e esposa intemerata,

Vinha intacta, fonte selada,

Ovelha imaculada.

 

Atenta Serva do Senhor,

Verdadeira alegria do Bom Pastor

No aprisco eterno,

Incitais multidões de filhos vossos

A entrar no banquete da vida.

 

Oceano de todas as graças,

Abris a porta da casa de Deus

Para que ali possamos viver

Na eterna paz. Resplandeceis de luz

E indicai-nos o caminho,

Ó Mãe e Virgem prudente,

Cuja lâmpada jamais se apagou.

 

Guiai-nos ao porto,

Ó Estrela do Mar,

E estreitai vossos filhos a Vós,

Que os povos proclamam ditosa

Nas eternas núpcias do Esposo.

 

Mostrai-nos vosso rosto, ó clemente,

Volvei a nós vossos olhos, ó piedosa,

Sobre nós estendei vosso manto,

Ó doce Virgem Maria.

 

A Vós se eleve um hino de louvor,

Ó cheia de graça,

A Vós o pranto dos filhos

No caminho de volta

Ao vosso refúgio,

Ó Mulher entre todas bendita,

Santa Maria.

 

Revesti-Vos do traje nupcial

Tecido pelo vosso amor,

Ó mística rosa da sarça ardente,

Para o dia sem fim

Do convívio eterno

Na terra prometida pelo Senhor.

 

Ave, Filha do Pai.

Salve, Mãe do Filho.

Exultai e alegrai-Vos,

Esposa e templo do Espírito Santo.

Amém.

                                                                       Fonte: http://www.revista.arautos.com.br/RAE51-hino-a-maria.asp                                                                                                                                                                                                       .